Frank Bennett

★ 1868 — † 1930

Voltar para a lista de biografias

Uma foto de Frank Bennett

Frank Bennett, também conhecido como Frater Belarion, nasceu em Worsley, Lancashire, Inglaterra. Ele exerceu profissões muito diversas, como construtor, químico industrial, gerente de fábrica, e no final de sua vida, como zelador e supervisor de manutenção.

Durante sua juventude, esteve envolvido em vários movimentos esotéricos, incluindo a Sociedade Teosófica e a Co-Maçonaria Universal (uma versão da Maçonaria para todo os gêneros, não só homens).

Ele entrou em contato com Crowley em 1909 através do endereço do The Equinox, pedindo por informações sobre a operação de Abramelin.

Pouco tempo depois, ele afiliou-se à A∴A∴ e depois à O.T.O. Apesar de seu interesse em Crowley, Bennett manteve seus laços com a Co-Maçonaria e em 1911 emigrou para a Austrália, com o propósito específico de auxiliar na fundação de Lojas Co-Maçônicas, algo que fez com algum sucesso. Eventualmente ele se estabeleceu em Sydney, onde sua esposa e seus filhos se juntaram a ele. O interesse de Frank Bennett na Co-Maçonaria se esvaiu, e ele se desligou da Loja de Sydney, da qual ele era Past Grão-Mestre, após uma disputa sobre a condução da Loja.

Em 1914, ele renovou o contato com a O.T.O. e, após longas negociações, recebeu uma patente para trabalhar a primeira Loja da O.T.O. na Austrália em novembro de 1915. A loja foi chamada de “Sydney Rosicrucian Lodge”.

Ao longo dos anos da Primeira Guerra Mundial, Bennett buscou fomentar o crescimento da O.T.O. e da A∴A∴ na Austrália, mantendo palestras regulares que ele anunciava em jornais. Ele se correspondia regularmente com Crowley e Frater Achad (Charles Stansfeld Jones), que supervisionava seus estudos na A∴A∴. Foi como um Neófito sob a tutela de Achad que ele adotou o nome de “Progradior”.

Em julho de 1921, Bennett viajou para a recém fundada Abadia de Thelema em Cefalù, onde começou a estudar pessoalmente com Crowley. Ali ele se uniu a um pequeno número de thelemitas incluindo Leah Hirsig, Cecil Frederick Russell, Jane Wolfe e outros. Bennett avançou rapidamente pelos graus da A∴A∴, prestando o Juramento de Adeptus Minor em outubro de 1921. Crowley se impressionou muito com o entusiasmo e a aptidão de Bennett, e reescreveu especificamente para ele uma instrução para a consecução do Conhecimento e Conversação do Santo Anjo Guardião: Liber Samekh, que deveria ser usada durante um retiro mágico. Frank Bennett manteve um relato detalhado de suas experiências durante este retiro.

Crowley ficou muito impressionado com as conquistas de Bennett, e passou a considerá-lo como seu melhor pupilo. Ele admitiu Bennett formalmente no IX° da O.T.O. e oficialmente o reconheceu como seu “Vice-rei na Australásia”.

Quando Frank Bennett retornou para a Austrália em dezembro de 1921, ele estava doente com malária e viciado em heroína. Sua esposa estava a ponto de deixá-lo, e quando o fez, seu filho ficou do lado dela, e nunca mais se reconciliou com seu pai.

Por um tempo Bennett perdeu o contato com Crowley e os outros thelemitas, mas eventualmente retomou suas correspondências com Crowley e Leah Hirsig, e renovou suas tentativas de disseminar a Lei de Thelema. Em 1924, um jornal de Sydney começou uma série de artigos sensasionalistas sobre Bennett e a O.T.O. Sob pressão da família e correndo o risco de perder seu emprego, Bennett se retirou do olhar público, e o trabalho da O.T.O. e da A∴A∴ em Sydney — que havia atraído um pequeno número de membros — parece ter se dissolvido.

Após o fim da Abadia de Thelema em Cefalù, seus membros se dispersaram e gradualmente Frank Bennett perdeu o contato com eles.

Ele faleceu em novembro de 1930, após uma breve doença.

Referências