História da A∴A∴

A história da A∴A∴ começa com o jovem Aleister Crowley, que após ler A Nuvem Sobre o Santuário e descobrir sobre uma comunidade secreta de Mestres que rege a humanidade, decide que o objetivo de sua vida é se tornar um deles.

Em uma de suas viagens pela Europa, ele encontra o químico inglês Julian Baker, que poderia ser um membro de tal comunidade, através da Ordem Hermética da Aurora Dourada (Hermetic Order of the Golden Dawn). Baker introduz Crowley a George Cecil Jones, o futuro co-fundador da A∴A∴, que o ajuda a se tornar um membro da Golden Dawn.

A Aurora Dourada

Lámen usado na Ordem Hermética da Aurora Dourada

Por volta de 1888, o ocidente testemunhou o surgimento da Ordem Hermética da Aurora Dourada (Hermetic Order of the Golden Dawn), uma das mais influentes organizações iniciáticas do mundo. Ensinavam as principais técnicas místicas e mágicas da Tradição Esotérica do Ocidente organizadas de uma maneira harmoniosa.

A Golden Dawn operava de acordo com o modelo maçônico e estudava a Cabala, Magia Cerimonial, Magia Enoquiana, Viagem na Visão do Espírito, Evocação e Invocação, Consagração de Talismãs, Tarô, Geomancia, dentre outros assuntos.

Infelizmente sofreram diversos escândalos e conflitos internos, que afastaram muitos membros e dividiram a ordem em diferentes facções.

Agora sendo dois membros de grau avançado, Edward Alexander Crowley e George Cecil Jones, descontentes com esses problemas, resolveram esboçar o sistema de uma nova ordem, que deveria corrigir os problemas que viam na antiga.

No entanto, decidiram que só deveriam colocar a ordem em funcionamento quando recebessem uma autorização vinda do plano espiritual, dos Chefes Secretos.

No final de 1906, Crowley e Jones receberam tal autorização, e em 1907 escreveram a Lição de História da A∴A∴.

A A∴A∴ sob Crowley

Foto de Aleister Crowley
Aleister Crowley

Em 1909, para divulgar a Ordem e atrair membros, Crowley começou a publicar o periódico semestral da A∴A∴ – The Equinox – como veículo para distribuir as instruções da Ordem e outras obras literárias, como poesias, peças e contos.

Devido à má fama de Crowley e às instruções polêmicas incluídas no The Equinox, a A∴A∴ atraiu publicidade negativa dos jornais da época, culminando num processo entre George Cecil Jones e um desses jornais. Em meio a esses problemas, Jones e Fuller decidem se afastar de Crowley, que assume a liderança solitária da Ordem.

O The Equinox foi publicado semestralmente até 1914. Com o início da Primeira Guerra Mundial, os custos se tornaram mais altos e a reserva financeira estava no fim, tornando inviável a publicação da revista. A guerra também tornou difícil a comunicação entre Crowley e os membros que viviam fora da Inglaterra.

A partir de 1919, o The Equinox foi publicado irregularmente conforme a possibilidade financeira, atraindo uma pequena quantidade de pessoas interessadas na A∴A∴ e posteriormente na O.T.O. Poucas pessoas aderiram à Ordem, e menos ainda conseguiram concluir com sucesso o trabalho de Probacionista para se tornarem Neófitos.

A Abadia de Thelema

Em 1920, seguindo a orientação que recebeu de um Chefe Secreto, Crowley estabeleceu uma Abadia na Itália, onde os interessados na A∴A∴ poderiam morar e treinar diretamente sob sua instrução. Dentre os residentes, estavam Jane Wolfe e Frank Benneth, que se tornariam aliados próximos de Crowley.

Na época, Jane Wolfe era uma jovem atriz do cinema mudo da Califórnia. Ela abandonou sua carreira artística para se juntar aos outros thelemitas na Abadia e dedicar-se ao Trabalho da A∴A∴. Ela passou três anos com Crowley em Cefalù.

O projeto durou até 1923, quando Mussolini ordenou que se retirassem do país. Wolfe foi enviada para Londres com o objetivo de fundar uma nova Abadia, porém sem recursos e nem contatos para isso, e a sua saúde debilitada, Wolfe retornou para os Estados Unidos para passar por uma cirurgia.

Após sua recuperação, ela se juntou aos thelemitas da O.T.O. e da A∴A∴ na Califórnia, ajudando Wilfred Smith no trabalho da segunda Loja Ágape.

A Segunda Guerra Mundial

Com o início da Segunda Guerra Mundial, a comunicação entre os poucos membros ativos da A∴A∴ se tornou difícil, não apenas devido aos grandes custos e dificuldades da época, mas também porque membros da A∴A∴ e da O.T.O. foram perseguidos e presos pelos nazistas por causa de seu envolvimento com ordens “para-maçônicas” e Crowley.

Um destes thelemitas, Karl Germer, fora preso em um campo de concentração da Alemanha nazista por causa de sua associação com o ocultismo. Durante sua prisão, recitou mentalmente e continuamente Os Livros Sagrados de Thelema, que ele sabia de cor, até atingir a experiência espiritual do Conhecimento & Conversação do Santo Anjo Guardião.

Depois de solto, retomou o contato com Crowley, que reconheceu sua consecução do Grau de Adeptus Minor 5=6, e posteriormente de Magister Templi 8=3, sendo os dois clímax do sistema da A∴A∴.

Em 1940, Jane Wolfe recebeu a jovem Phylis Seckler, uma membro da Loja Ágape, como uma Probacionista da A∴A∴. Seckler se tornaria uma das mais importantes figuras na história de Thelema pós-Crowley.

A A∴A∴ sob Germer

Apesar de todas as dificuldades e com menos recursos financeiros, Crowley continuou publicando novas instruções e eventualmente recebendo novos membros na A∴A∴ até a sua morte em 1947.

Foto de Jane Wolfe, Phyllis Seckler e Karl Germer
Jane Wolfe, Phyllis Seckler e Karl Germer

Quando Crowley faleceu, Karl Germer herdou suas posses, inclusive a liderança em suas ordens iniciáticas, a O.T.O. e a A∴A∴. Germer optou por focar mais na preservação do acervo literário de Crowley do que nas ordens que liderava, porque temia que o material se perdesse. Junto com o inglês Gerald Yorke, que também possuía uma vasta coleção escritos de Crowley, garantiram a sobrevivência do acervo de Crowley, trocando cópias de documentos e obras que o outro não tinha, desta forma haveria uma coleção completa nos EUA e outra na Inglaterra.

Germer publicou algumas obras inéditas de Crowley, como Liber Aleph, 777 (revisado), The Book of Lies (comentado) e Magick Without Tears.

Em 1952, Germer reconheceu a consecução do Grau de Adeptus Minor 5=6 de Phyllis Seckler, primeiramente em correspondência com Jane Wolfe, e depois com a própria Adepta. Durante a década seguinte, até sua morte, Germer discutiu os nuances do Conhecimento & Conversação do Santo Anjo Guardião com Seckler.

Em 1953, Germer recebeu o jovem brasileiro Marcelo Ramos Motta, que estava estudando em Baton Rouge, Luisiana, como seu Probacionista.

Jane Wolfe faleceu aos 83 anos em 1958, e Germer faleceu aos 77 anos em 1962.

Seckler e Motta, individualmente, continuaram a receber novos estudantes na A∴A∴.

A A∴A∴ via Seckler

Foto de Grady McMurtry, Israel Regardie e Phyllis Seckler
Grady McMurtry, Israel Regardie e Phyllis Seckler

Quando Germer faleceu, não havia mais uma Loja ativa da O.T.O. A A∴A∴ também não possuía mais uma autoridade central. A situação da sucessão das ordens era nebulosa.

No final dos anos 60, Seckler descobre que Grady McMurtry possuía uma autorização do próprio Crowley para assumir o comando da O.T.O., o que possibilitaria que eles continuassem com o trabalho da Ordem. Usando seus próprios recursos, bancou a vinda de McMurtry para a Califórnia. Em 1969 começaram a realizar iniciações e em 1971 registraram a Ordem legalmente.

No início dos anos 70, Seckler fundou o College of Thelema (atual Academic Track do Temple of the Silver Star) à serviço da A∴A∴, como uma forma de disseminar Thelema e os métodos ensinados pela A∴A∴ num formato de escola.

De 1973 a a 1996, Seckler editou o periódico In The Continuum do College of Thelema, responsável por publicar obras esgotadas de Crowley, bem como os próprios escritos dela, como seus tratados sobre a Astrologia e o Tarô de Thoth, a biografia de Jane Wolfe, sua poesia e seus editoriais sobre temas diversos tratados pelo currículo da A∴A∴.

No final dos anos 80, Seckler co-fundou o Temple of Thelema, e no ano 2000, autorizou a fundação do que se tornaria o Temple of the Silver Star, autorizando também a continuidade de seu trabalho com a A∴A∴ por David Shoemaker.